Canal de atendimento atendimento@medaula.com.br
(31) 3245-5781 (31) 9 8882-9170
Rua Grão Pará, 737 Conjunto: 1101 - 11o andar, BH
CNPJ: 07.254.304/0001-24

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE ALTA RESOLUÇÃO (TCAR): TÉCNICA, ANATOMIA E PADRÕES DE ATENUAÇÃO PULMONAR

11 de agosto, 2021

A técnica de imagem primária na avaliação das doenças pulmonares difusas é a radiografia simples de tórax (apresenta sensibilidade e especificidade em torno de 80%), porém as radiografias simples de tórax podem ser normais em até 16% dos pacientes.

A Tomografia Computadorizada de Alta Resolução (TCAR) possui especificidade e sensibilidade acima de 90%. Porém, mesmo com a alta resolução, às vezes é necessária a realização da biópsia para estabelecer um diagnóstico específico.

As doenças pulmonares infiltrativas difusas se apresentam em 6 padrões na TCAR: padrão septal, reticular, nodular, cístico, densificação em “vidro fosco” e consolidação.

1.TÉCNICA DA TCAR

A técnica da realização de tomografia de tórax em alta resolução é através da utilização de cortes tomográficos finos (1 a 1,5 mm), sendo 1 mm a espessura ideal para aquisição de imagens com maior resolução espacial. As imagens são obtidas em intervalos de 1 cm com algoritmos de alta resolução para parênquima pulmonar (filtro “duro” ou “bone”) e matriz de 512 × 512. Os parâmetros de nível de janela são entre -600 e -800 UH e largura ou abertura em torno de 1200 UH.

O exame é realizado em decúbito dorsal, se imagens sugestivas de aumento de atenuação em localizações posteriores, gravida-de-dependentes, realiza-se em decúbito ventral. Imagens obtidas em inspiração profunda, em caso de suspeita de áreas de aprisionamento aéreo, devem ser realizadas em expiração, pois acentua as diferenças entre o parênquima normal e anormal. Quando a atenuação do parênquima pulmonar não aumenta, existe retenção de ar.

2. ANATOMIA EM TCAR

Lóbulo pulmonar secundário Principal unidade estrutural e funcional dos pulmões. É considerada a menor estrutura anatômica visível na TCAR, aparecendo como um poliedro de 1 a 1,25 cm. Cada lóbulo pulmonar secundário contém de 3 a 12 ácinos, supridos por 3 a 5 bronquíolos terminais separados por septos intralobulares.

O lóbulo pulmonar secundário é circundado por septos interlobulares de 0,1 mm de espessura que contém veias pulmonares, vasos linfáticos e tecido conjuntivo. Este é o limite de resolução pela TCAR, alguns septos podem ser visualizados em posição subpleural e apical, mas usualmente só são visualizados se estiverem espessados. Contém, no seu centro, uma arteríola centrilobular (1 mm) que pode ser vista como uma estrutura puntiforme e pelo bronquíolo respiratório, que mede 1 mm e parede de 0,1 mm, que normalmente não é visualizado. Eles estão distantes de 5 a 10 mm da pleura visceral.

Quer ficar por dentro de todos os nossos conteúdos?

Enviar um Whatsapp
1
Quer falar com uma consultora?
Olá, como podemos te ajudar?
Powered by